22.1 C
Serra
quarta-feira, 08 de julho de 2020

Covid-19 também provoca epidemia de desemprego na Serra

Leia também

Nova Lei obriga a notificação de casos de violência no Estado

Publicada no Diário Oficial do Estado nesta quarta-feira (8), a Lei 11.147/2020 obriga profissionais que atuam em serviços de...

ArcelorMittal vai retomar parte da capacidade produtiva em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e que está com sua capacidade produtiva reduzida à menos da metade, a ArcelorMittal...

Mais de 400 empresas já fecharam na Serra durante a pandemia

Levantamento feito pelo Sebrae/ES junto à Receita Federal, apontou que 442 empresas encerram suas atividades entre o dia 16...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Av. Central de Laranjeiras após a reabertura das lojas em horário especial e dias alternados: pandemia mudou cotidiano, reduziu renda do consumidor e vendas no comércio. Foto: Ana Paula Bonelli – 12/05/20.

Locomotiva econômica e município de maior população do ES, a Serra é a cidade com mais demissões nesta pandemia de coronavírus. Em abril, 5.605 trabalhadores com carteira assinada deixaram seus postos. Como o número de admissões foi de 2.180, o saldo da geração de empregos com carteira assinada ficou negativo com 3.424 vagas a menos.

Os dados são do Cadastro Geral dos Empregados e Desempregado (Caged), que é vinculado à Secretaria de Trabalho, órgão do Ministério da Economia. E revelam impacto profundo da covid-19 na economia não só da Serra, mas do ES e do país. Situação que também tem se repetido em maior ou menor grau em outros países.

Apesar da Serra ter liderado no Estado o fechamento de vagas em abril, onde se considera o balanço entre admissões e demissões no período, os municípios vizinhos Vitória, Vila Velha e Cariacica também enfrentam cenário semelhante. E não é diferente nas maiores das cidades do interior.

Tanto que o Espírito Santo terminou o mês com saldo negativo de 17.881 vagas de emprego. E, segundo o Caged, a situação se acentuou em abril com o avanço da pandemia. Em março já havia tido queda na geração de emprego no estado, mas ela foi menor. Em janeiro e fevereiro foram registrados números positivos.

Fechamento de vagas de trabalho no município é histórica

Para se ter ideia do tamanho do impacto econômico da covid-19 na Serra, basta ver o que aconteceu em anos anteriores. Em 2015, por exemplo, no auge da crise econômica que atingia o país, a cidade perdera 9.566 postos de trabalho formais. Em 2016, foram 7.516 vagas a menos. Em 2018, a perda foi mais suave: 1.981 vagas. Só em 2019 a Serra voltaria a contratar mais do que demitir, com 1.742 novas vagas.

E esta pandemia de coronavírus, em apenas um mês, já foram fechadas o equivalente a mais de um terço de todas as vagas perdidas em 2015, pior ano até então.  Todos os números são do Caged.

Comentários

Mais notícias

ArcelorMittal vai retomar parte da capacidade produtiva em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e que está com sua capacidade produtiva reduzida à menos da metade, a ArcelorMittal Tubarão anunciou nesta quarta-feira (08)...

Mais de 400 empresas já fecharam na Serra durante a pandemia

Levantamento feito pelo Sebrae/ES junto à Receita Federal, apontou que 442 empresas encerram suas atividades entre o dia 16 de março – data em...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!