32.4 C
Serra
terça-feira, 07 de abril de 2020

Contaminação com lama da Samarco pode aumentar em tempos de chuva

Leia também

Tire suas dúvidas sobre o auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal

O governo começa a pagar na quinta-feira (9) a primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas...

Está proibido corte por inadimplência de alguns serviços essenciais durante pandemia

Sabemos que esse período de isolamento tem sido necessário para que possamos reduzir a curva de propagação do vírus....
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Lama trazida pelo rio Doce para o litoral capixaba no final de 2015. (Foto: Fred Loureiro/Secom/ES)

Com o rio Doce muito cheio em função das chuvas da última semana, aumentam as preocupações da contaminação de peixes e mariscos do rio e do mar com a lama da Samarco (Vale + BHP) e metais pesados que ela ajuda a espalhar.

Tanto que a Rede Rio Doce Mar, formada por pesquisadores e instituições para acompanhar as consequências do desastre/crime ambiental à biodiversidade aquática, está mobilizada para monitorar a presença de metais pesados na água, sedimentos, peixes e em outros organismos.

Isto porque existe a preocupação com o aumento da turbidez da água, justamente porque o rio fica mais forte na cheia e pode levantar do fundo rejeitos depositados em seu leito desde o rompimento da barragem em Mariana (MG), ocorrido em novembro de 2015.

Em comunicado divulgado na última quinta-feira (30), a Rede informa que as pesquisas sobre a presença de metais pesados em períodos de cheia atende a determinação dos órgãos ambientais. Os pesquisadores estão coletando amostras ao longo do rio Doce no Espírito Santo, na foz em Regência (Linhares), na região marinha e em áreas adjacentes.

A Rede Rio Doce Mar vai incorporar os resultados dessas análises a relatórios que serão entregues aos órgãos ambientais e também à Fundação Renova, no âmbito do Acordo de Cooperação Técnico-Científica ora em desenvolvimento.

A Fundação Renova foi criada pela Samarco e suas controladoras, as gigantes multinacionais da mineração Vale e BHP Billiton, para gerir indenizações aos atingidos e outras reparações pelo rompimento da barragem.

Comentários

Mais notícias

Está proibido corte por inadimplência de alguns serviços essenciais durante pandemia

Sabemos que esse período de isolamento tem sido necessário para que possamos reduzir a curva de propagação do vírus. Trabalhadores e empresários vêm sofrendo,...

Coronavírus: veja como denunciar comércios abertos na Serra

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a abertura de comércios considerados não essenciais está proibida na Serra e em outras cidades capixabas. Mesmo...

Covid-19 | 289 casos são investigados na Serra

O Espírito Santo tem 209 casos confirmados do novo Coronavírus (Covid-19) até dados da última segunda-feira (06). O Estado já registra casos de transmissão...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem