Amar é o Bicho | Portal Tempo Novo

Serra, 18 de Janeiro de 2019

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Amar é o Bicho

por Ana Paula Bonelli

Multas de até R$ 684 para atos de crueldade contra animais no ES

Abandono de animais doentes, idosos ou sem sofrimento serão enquadrados na lei. Foto: Divulgação

Agora é lei. Quem for flagrado maltratando animais no Espírito Santo deverá pagar multa. A lei sancionada pelo governador Renato Casagrande foi publicada nesta segunda-feira (14) no Diário Oficial.

A lei fixa o pagamento de multas que variam entre R$ 51 e R$ 684. Será considerado maus-tratos abandono de animais doentes, idosos ou em sofrimento, permanência em local e condições inadequados, a locomoção do animal sem coleira e guia, o uso de enforcadores ou focinheiras não adequadas em cães e a comercialização irregular.

Toda ação ou omissão que gere abuso, sofrimento, maus-tratos, ferimentos de qualquer natureza, mutilação, transtornos psicológicos ou estresse de animais silvestres, nativos ou exóticos, domésticos e domesticados são consideradas maus-tratos.

Cuidado redobrado com pet em época de maior incidência de cobra, escorpião e aranha

O gato Pezinho foi picado por cobra em dezembro, foi tratado e sobreviveu. Foto: Divulgação

Serpentes com veneno, escorpiões e aranhas. Nesta época do ano em que as temperaturas estão elevadas, animais peçonhentos costumam aparecer com mais frequência em áreas urbanas. Quem mora próximo a remanescentes florestais, terrenos baldios com lixo e madeira, além de locais com muito mato, deve ter atenção redobrada.

Porém matar esses bichos não é a melhor opção, porque eles desempenham papel importante na natureza. O ideal é acionar os órgãos ambientais. Confira os telefones ao final da matéria.

Não só os humanos podem sofrer acidentes com cobras, escorpiões e aranhas, animais domésticos como gatos e cachorros também podem sofrer com o problema e inclusive vir a óbito.

Nestes casos, não há no município notificações de incidentes entre animais domésticos e animais peçonhentos, segundo a Prefeitura da Serra. O Estado também não disponibiliza soros antiofídicos, antiescorpiônico e aracnídeo para estes eventos. Para prestar atendimento, as clínicas veterinárias devem comprar a medicação.

Na Climev, de Laranjeiras, um gato deu entrada com picada de cobra em dezembro. Na ocasião, a médica veterinária Patrícia Ribeiro de Oliveira atendeu o felino, ministrou o soro antiofídico e o animal passa bem e já está em casa, em Cidade Continental. Em 2018, ela também atendeu outros dois casos, um gato e um cachorro que acabaram morrendo.

Patrícia explica que o socorro deve ser bem rápido e que o proprietário deve ficar atento a alguns sinais. “Normalmente é difícil identificar a picada. Ideal é ficar de olho em alterações no comportamento do animal, inchaços e feridas. Estes tipos de animais peçonhentos tem hábito noturno e a maior parte dos acidentes acontece a noite e com felinos. Mas também pode ocorrer com cães, pois eles podem cavar, chegar numa toca e tomar uma picada”.

A médica veterinária explica que a primeira atitude que o dono do animal precisa tomar é levar imediatamente para a avaliação numa clínica veterinária. “Não faça nada, nem sangria, nem garrote, porque isso irá infectar e não eliminará o veneno. O máximo que se pode fazer é uma compressa de água fria, não gelada e levar para o veterinário. Se conseguir tirar uma foto do peçonhento que picou, ajuda no tratamento. Quanto mais rápido o socorro, maior a chance do bichinho”, conclui.

Segundo o biólogo, Cláudio Santiago, o calor tem influência no processo de aparecimento de peçonhentos. “Este tipo de animal tem mais atividade no período quente. O verão também é época de chuva, temos um clima abafado e úmido, principalmente no litoral. A relação presa predador ajuda nisso. A proliferação de vários insetos também acontece nesta época do ano, mosquito, barata, cupim, tanajura, que são presas em potencial destes animais. Escorpião é um predador importante de baratas. Eles têm mais alimentos à disposição. Aranhas também se alimentam de minhocas, lesmas, outras comem larvas de mosquito e baratas. Já as cobras, saem à procura de ratos”, explica.

O biólogo Cláudio Santiago dá dicas de como agir se a pessoa observar um desses animais na sua residência. “Nunca tente conter uma serpente. Se for a jararaca, chame imediatamente a Polícia Ambiental. Ela é mortal, dependendo do tamanho da pessoa, criança principalmente. Não adianta, nunca seremos mais rápido do que o bote desta cobra. Apenas um arranhão do dente dela, a pessoa já terá problema sério, perda de tecido, entre outros problemas. Nem com a cobra morta deve-se tocar nela, porque o veneno ainda está ali presente”, destaca.

Caranguejeira inofensiva

Se for uma aranha, a caranguejeira, que é que mais causa medo na população, é inofensiva, segundo Cláudio. “Elas metem medo porque são grandes e peludas. São dóceis e não são agressivas. Não mate a aranha, porque tirando esse predador, vai abrir caminho para aparição de rato e barata que são presas desse animal. Tem que ter cuidado com a aranha de jardim, ele é bem menor, mas com um pote da para conter e levar ela para longe. Escorpião é a mesma coisa. As duas pinças que eles têm na frente são inofensivas, o veneno está no aguilhão, no último segmento da calda. Mas é um animal que não anda rapidamente, dá para conter com um pote e soltar num outro local. Tem que ter muito cuidado com o aguilhão, porque criança pequena pode até morrer, de tanta dor que causa. Esse também depois de morto é perigoso”.

Serviço:

Secretaria de Meio Ambiente da Serra

Telefone: 27 3291-7413

Cetas (Centro de Triagem de Animais Silvestres), em Barcelona

Telefone: 27 3241-8374

Centro de Atendimento Toxicológico (Toxcen)

Telefone: 0800 283 99 04 (atendimento 24 horas)

Senadora do ES quer aprovar projeto de guarda compartilhada de animais no Brasil

O projeto é da senadora capixaba Rose de Freitas. Foto: Pixabay

A guarda compartilhada de animais de estimação poderá se tornar compartilhada nos casos de dissolução do casamento ou da união estável de casais. É o que prevê o Projeto de Lei do Senado 542/2018 de autoria da senadora Rose de Freitas (Pode-ES), apresentado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal.

Rose explica que a proposta se baseia em resolução do Instituto Brasileiro de Direito da Família (IBDFAM), defendendo que “na ação destinada a dissolver o casamento, pode o juiz disciplinar a custódia compartilhada do animal de estimação do casal”.

Ela também cita um acórdão recente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), que ao julgar uma ação referente à posse de um animal após a separação, pontuou que ainda paira sobre o tema “uma verdadeira lacuna legislativa, pois a lei não prevê como resolver conflitos entre pessoas em relação a um animal adquirido com a função de proporcionar afeto, e não riqueza patrimonial”.

A senadora também baseia o projeto em um julgamento recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), quando o órgão pontuou que “a ordem jurídica não pode, simplesmente, desprezar o relevo da relação do homem com seu animal de estimação, sobretudo nos tempos atuais. Deve-se ter como norte o fato, cultural e da pós-modernidade, de que há uma disputa dentro da entidade familiar em que prepondera o afeto de ambos os cônjuges pelo animal. Portanto, a solução deve perpassar pela preservação e garantia dos direitos à pessoa humana, mais precisamente, o âmago de sua dignidade (Recurso Especial 1.713.167)”.

Interação humano-animal – A proposta se apoia nos entendimentos do STJ e do IBDFAM sobre o assunto, propondo em geral a guarda compartilhada como regra para os casais que se separam, quando não há um acordo sobre a posse do animal. A competência para tomar as decisões sobre a guarda será da Vara da Família.

O direito ao compartilhamento de custódia vem acompanhado do dever de contribuir para as despesas de manutenção do animal. E a divisão do tempo de convívio deve ter em vista condições como o ambiente adequado para a morada do animal, a disponibilidade de tempo e as condições de zelo e sustento que cada uma das partes apresenta.

Compartilhamento das despesas – Enquanto as despesas ordinárias de alimentação e higiene incumbirão àquele que estiver exercendo a custódia, as demais despesas de manutenção, como as realizadas com consultas veterinárias, internações e medicamentos, serão divididas igualmente entre as partes.

E com o objetivo de promover a pacificação familiar nos casos em que o compartilhamento não seja recomendado ou não esteja funcionando, o projeto também prevê quatro hipóteses de perda da posse do animal em favor da outra parte.

Isto ocorrerá nos casos de: descumprimento imotivado e reiterado dos termos da custódia compartilhada; indeferimento do compartilhamento da custódia em casos de risco ou histórico de violência doméstica ou familiar; renúncia ao compartilhamento da custódia por uma das partes; e comprovada ocorrência de maus-tratos contra o animal.

Mais de 70 milhões de animais de estimação – “Os animais de estimação ocupam um espaço afetivo privilegiado dentro das famílias brasileiras, sendo por muitas pessoas considerados membros da entidade familiar. Segundo o IBGE, há mais cães de estimação do que crianças nos lares brasileiros. Apesar disso, o ordenamento jurídico ainda não possui uma previsão normativa para regular o direito à convivência com os bichos após o fim do casamento”, finaliza Rose na justificativa.

O levantamento citado pela senadora Rose foi a Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE, divulgada em 2015. Segundo a pesquisa, 44,3% das casas do país tem pelo menos um animal. Foram contados 52,2 milhões de cães, uma média de 1,8 animal em relação à presença de crianças. O mesmo levantamento contou 22,1 milhões de gatos.

 

ES poderá ter profissionais da Polícia Civil para identificar maus-tratos a animais

Os profissionais poderão ajudar a elucidar casos como o da gata morta na Pedra da Cebola. Foto: Divulgação

O Espírito Santo poderá ter especialistas na luta contra os maus-tratos de animais. Isto porque está prevista a contratação de profissionais médicos veterinários na perícia técnico científica que poderão ajudar a identificar situações de denúncias de violência contra bichos no próximo concurso da Polícia Civil.

Presidente da CPI dos Maus Tratos contra animais da Assembleia Legislativa do Estado, a deputada Janete de Sá (PMN)  comemora a inclusão. “É uma conquista determinante para a identificação de vítimas humanas e dos animais vítimas de maus-tratos. São duas vagas para medicina veterinária afim de periciar  questões de bio seguranca, produtos de origem animal evoluindo para os maus-tratos, mortes e envenenamento de animais, atendendo uma demanda da CPI dos Maus- tratos Contra os Animais”, destaca a parlamentar.

Cão da Polícia Civil é o único do Estado apto em ocorrências para detecção de cadáveres

O cão Spy com o investigador e condutor André Cardoso da Silva. Foto: Divulgação

O cão Spy, que integra a unidade K9 da Polícia Civil, é o único cão do Estado apto para atuar em ocorrências que envolvam a detecção de restos mortais humanos.  A certificação foi entregue no último dia 13 ao investigador de polícia e condutor do cão, André Cardoso da Silva, que também foi aprovado no curso promovido pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado.  O treinamento teve início no dia 6 deste mês e foi realizado na área do Corpo de Bombeiros.

De acordo com o investigador de polícia, essa capacitação regulamentou sua atividade como condutor do cão e a atuação do animal. “Esse certificado é muito importante, pois torna a ação mais profissional, evitando questionamentos e dando credibilidade nas operações em que o cão participa. Além disso, proporciona o controle nas ações, evitando que o amadorismo aconteça”, explicou.

O condutor do cão explicou que, antes do curso, o Spy já estava atuando em algumas operações. “Para começar a atuar, ele passou por um treinamento de um ano e oito meses. A partir de então, ele começou a atender ocorrências em ações conjuntas com o Corpo de Bombeiros e outras unidades da Polícia Civil, nas quais logrou êxito em localizar cadáveres. Esse curso só vai aprimorar o nosso trabalho”, destacou o condutor do cão.

A certificação tem validade de dois anos. “Após esse período, o Spy fará um teste para certificar que ele continua habilitado a exercer as funções determinadas. Além da aprovação, nós também estamos aptos para participar da comissão avaliadora de provas para certificação do cão e do condutor”, finalizou André Cardoso.

As informações da Secretaria de Estado de Segurança Pública.

Pets também sofrem com calor e precisam de proteção

 

Patrícia: troca de água frequente, passeio só com sol baixo ou a
noite, frutas e atenção aos sinais clínicos em dias de calor extremo. Foto: Arquivo TN

O verão chegou e com ele as altas temperaturas. E não são somente os humanos que sofrem com calor e o sol quente. Neste período de calorão os cuidados com os animais de estimação, sejam cães ou gatos, devem ser redobrados. Pequenas alterações na rotina podem garantir a saúde dos bichinhos.

Um dos cuidados que se deve ter é com o passeio diário dos cães. A médica veterinária Patrícia Ribeiro de Oliveira, da Climev Laranjeiras, dá a dica para evitar queimaduras nas patas dos animais. “De preferência sair com os animais antes das 10 horas e depois das 19 horas. Se o dono achar que está ainda muito quente, coloca o dorso da mão na calçada para sentir a temperatura que está o chão. As almofadinhas da pata são tão sensíveis quanto à pele desta parte do corpo humano. Não adianta usar somente o sapatinho. Ele ajuda a proteger, mas em determinado momento o próprio acessório fica quente”, explica.

A profissional frisa ainda que é necessário levar água durante o passeio para oferecer ao animal durante o trajeto. Em casa, lembrar de trocar a água pelo menos duas vezes ao dia. Se perceber que o animal está ofegante e com o nariz seco levar ao veterinário. “Ele pode estar com hipertemia. O médico irá avaliar o animal, a hipertemia pode levar a morte”, alerta Patrícia.

Ela também frisa que no calor, os animais comem em menor quantidade. “É normal. Mas é preciso observar se a quantidade que esta comendo não é assustadoramente menor. Tanto para cães quanto para gatos, pode oferecer frutas sem caroço, claras, que não sejam ácidas, melão, mamão (sem semente), melancia (sem semente e sem casca). Lembrando que é uma forma de suplementação de carboidrato e glicose, não é para dar em exagero também, tudo moderado”.

O proprietário também deve ficar de olho na quantidade de urina. “A tendência é diminuir a urina e pelo fato dessa diminuição pode se dispor a cálculo, cistite, e uma infinidade de doenças do trato urinário. Se perceber uma mudança muito brusca procure o veterinário”.

Deixar os animais em locais frescos. “Sol nem pensar, casinhas fechadas também não. Eles precisam de local com circulação de ar e amplo”.

Com relação a deixar os animais em ar condicionado, Patrícia faz uma ressalva. “Evitar isso, o ar condicionado resseca a mucosa oral e nasal. Para o bichinho que não está habituado, é melhor não colocar ele neste sistema agora. Pode causar problema respiratório. Para os que tem costume,  o ideal é umidificar o ambiente ou colocar uma bacia de água”, indica a veterinária.

Animais que gostam de banho, é liberado um por semana e manter, tanto cão, quantos gatos, de pelo longo tosados. “E nessa época nunca secar ao sol ou com ar quente de secador”, conclui.

Serra deve responder aos questionamentos do relatório da CPI dos Maus Tratos de Animais

Maltratar animais é crime, além de ser cruel. Foto: Divulgação

Criada em 2016, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus Tratos contra animais, na Assembleia Legislativa, teve seus trabalhos encerrados nesta terça-feira (18). Cópias do relatório da CPI serão encaminhadas a diversos órgãos de várias cidades capixabas, entre elas a Serra, pedindo informações sobre ações promovidas para coibir a prática.  

Foram realizadas 34 reuniões, e ouvidas 54 pessoas, entre testemunhas, investigados e convidados. Foram denunciados casos de maus tratos em vários municípios, e o relatório pede a indiciamento de quatro pessoas.

Serra 

Na Serra, houve o registro de morte por envenenamento de gatos, que foi apurada pela CPI. No município, receberão cópia do relatório a Prefeitura, requisitando que a Secretaria de Saúde informe o andamento ou conclusões da sindicância aberta para apuração de eventuais delitos funcionais porventura cometidos por servidores do Centro de Vigilância Sanitária. Ao Ministério Público, requisitando o relatório do inquérito civil autuado sob número 2013.0000.9438-66.  

Também à Delegacia de Proteção Ambiental e do Ministério Público Criminal da Serra, requisitando relatório relativo a procedimentos/processos em desfavor do Centro de Controle de Zoonoses da Serra e menciona duas pessoas. Também solicita medidas que estão sendo adotadas em relação ao envenenamento de gatos no condomínio Aldeia Igarapé.  

“A​lém da participação popular, se faz necessária a implementação de políticas públicas que representem os anseios da sociedade”, ressaltou ainda a presidente da CPI, deputada Janete de Sá​, durante a leitura do relatório. 

Família pede ajuda para encontrar cadela que fugiu em Laranjeiras

Luiza/Lulu tem a pelagem branca e uma orelha em pé e a outra caída. Foto: Divulgação

Alguém viu  a Luiza por aí? A cadelinha fugiu em Parque Residencial Laranjeiras na noite da última terça-feira (11).

O dono da Lulu, como também é chamada a cachorra, está desesperado. “Andamos por todo o bairro até as 2:00 da manhã e não tivemos nenhum sinal. Ela tem uma orelha meio caída e outra em pé, e é super dócil. Estamos extremamente arrasados”, conta Matheus Mariani.

Outra característica que pode ajudar a identificar a cadela é a pelagem que é branca com uma mancha amarela na parte traseira.

Se alguém tiver informações sobre o paradeiro da Lulu pode entrar em contato com os telefones  99835 2912 (Matheus); Pedro Henrique pelo 99998 8909; Sandra 99999 8940 e pelo telefone fixo 3218 1145.

Prefeitura faz projeto para acabar com carroças nas ruas da cidade

Carroceiro atuando normalmente no bairro Parque Residencial Laranjeiras. Foto: Arquivo TN/Ana Paula Bonelli

A Serra poderá não ter mais carroceiros rodando por ruas e avenidas em 2019. Isto porque, a Prefeitura da Serra encaminhou a Câmara de Vereadores o projeto que institui o Programa de Reinserção Profissional dos Proprietários e Condutores de Veículos de Tração Animal e prevê o fim da circulação de carroças na cidade. Para isto promete auxílio financeiro e qualificação profissional aos carroceiros.

Desde o dia 6 de janeiro de 2017, é proibida a permanência e utilização de animais de grande porte em municípios com mais de 100 mil habitantes. A Serra possui mais de 500 mil habitantes e se enquadra na proibição. A lei de autoria da deputada Janete de Sá (PMN) foi aprovada na Assembleia Legislativa e sancionado pelo governador Paulo Hartung.

A Prefeitura da Serra já realizou o cadastro de aproximadamente 100 proprietários e condutores de veículos de tração animal que residem e atuam no município e estabelecerá as ações que vão viabilizar a reinserção ou readequação no mercado de trabalho.

Pela proposta do município, esses trabalhadores vão contar com auxílio financeiro da Prefeitura e se comprometem a estudar e se qualificar para melhor inserção no mercado de trabalho. Para receber os benefícios, os proprietários e condutores de veículos de tração animal precisam entregar ao município seus veículos e animais.

O município indenizará cada profissional por veículo de tração e por animal, além de conceder auxílio financeiro. Os valores serão relativos aos animais e veículos previamente declarados ao município pelos proprietários participantes do programa.

Segundo a Prefeitura, o benefício será repassado com objetivo de auxiliar as necessidades da família e manter uma renda mínima até conseguirem a nova ocupação.

A reportagem questionou a Prefeitura sobre quanto seria os valores da indenização e auxílio financeiro que disse por meio de nota que estes estão sendo definidos em decreto. Também revelou que a Secretaria de Serviços vai firmar contrato com uma empresa que será responsável pelo recolhimento e cuidados da saúde do animal e também recolhimento das carroças. Afirmou que os cavalos poderão ser doados, por exemplo, a entidades que fazem uso da equoterapia. Já as carroças serão incineradas.

Serão ofertadas ações de qualificação profissional com encaminhamento ao mercado de trabalho, acesso ao microcrédito, além de formalização como microempreendedor individual e orientação ao associativismo. O município poderá, ainda, estabelecer convênios e parcerias com outras entidades públicas e privadas, organizações e associações.

 

 “Apenas a proibição de carroças na cidade traria um problema para as pessoas que vivem da tração animal. Vamos capacitá-las e dar uma nova profissão para que deixem a ilegalidade”, disse o prefeito Audifax Barcelos, por meio de nota enviada pela assessoria de comunicação da Prefeitura da Serra.

Cãopeonato no Parque da cidade neste sábado

Nancy e Ana Julia com os cães Lulu e Athena. Foto: Gabriel Almeida

A cachorrada vai tomar conta do Parque da Cidade, em Laranjeiras, neste sábado (1). Isto porque o local será palco do evento Cãopeonato do Parque, direcionado para cães e seus proprietários. Quem quiser participar as inscrições serão feitas no local e gratuitamente. Cães de todos os portes e raças serão bem-vindos nas atividades.

Na agenda estão circuito com obstáculos, como túnel e rampa para cães que fizerem o percurso em menos tempo, além de outras brincadeiras como concurso do cão mais guloso, do mais estiloso, e do mais obediente. Quem participar das atividades vai concorrer ainda a diversos prêmios.

O Cãopeonato será das 7 às 11 horas no Espaço Cãotinho Pet, que fica dentro do Parque da Cidade.

O evento é uma parceria entre a Prefeitura da Serra e as marcas Ibasa, Must, Ciclos, Croc, CanniDog, Nutripharme e UCBVet, representadas pelo grupo Pet Nobre. Informações pelo telefone 3291-2402.

Moradora da Serra pede ajuda para encontrar animais desaparecidos

Alguém viu esses peludinhos por aí? Eles estão perdidos na região de Barcelona, na Serra e sua dona está desesperada a sua procura. Segundo a proprietária dos animais, os cães fugiram no último dia 17 de novembro e foram vistos pela última vez, andando no Civit I, bairro industrial, que fica entre Porto Canoa e Maringá.

Elefante e Billy, pertencem a Luana Arthur que está oferecendo R$ 200 de recompensa por cada cachorro para caso alguém ache e os devolva para ela. Os animais sumiram na rua Maringá, em Barcelona, próximo ao Cinturão Verde e a mata da Cesan.

Contato da dona é o 99316-2484.

Você sabe o quanto os gatos dormem?

Gatos filhotes chegam a dormir até 20 horas por dia por gastar mais energia. Foto: Ana Paula Bonelli

Quanto os gatos dormem? Quem tem um felino em casa, sabe que eles costumam dormir bastante. Mas segundo um artigo do site Paixão por Gatos, os gatos dormem em média de 12 a 16 horas por dia.

E as maneiras deles dormirem é totalmente diferenciada: enrolados, esticados ou com as caudas no rosto, ninguém pode negar que os gatos são dorminhocos profissionais. Eles passam mais da metade do dia dormindo, nossos amigos felinos sempre constam na lista dos animais mais sonolentos do mundo.

Primeiramente, os gatos domesticados de hoje vêm de antepassados que viveram na natureza como predadores, com o benefício de poder desfrutar de boas horas de sono. Enquanto que os animais que eram presas  tinham que permanecer acordados, simplesmente para continuarem vivos.

Ainda assim, os padrões de sono do seu gato doméstico podem variar, de acordo com sua idade e com o seu estado de saúde. Os filhotes – assim como os bebês – precisam dormir mais, dormem até 20 horas por dia, porque gastam energia muita com assimilação, aprendizado, desenvolvimento corporal e todas as brincadeiras. Por outro lado, os gatos mais velhos começam a desacelerar por volta dos 7 anos. Com isso, precisam descansar mais, especialmente se tiverem problemas nas articulações e artrite.

Apesar dos gatos serem conhecidos por passarem muito tempo acordados durante a noite, eles são crepusculares. De modo que eles ficam mais ativos ao amanhecer e anoitecer.

Os gatos selvagens ou que vivem livres fazem a maior parte de sua perseguição á noite. Portanto, os gatos domesticados ainda têm seus instintos naturais de serem ativos nas horas do crepúsculo mesmo que suas presas estejam somente fora de casa. Sendo assim, os gatos são mais propensos a gastar tempo cochilando durante o dia com a intenção de conservar sua energia para caçar à noite. Sabemos que os gatos precisam comer várias presas pequenas para se satisfazerem, por isso precisam cochilar entre as suas caçadas.

Contudo, os gatos domesticados podem e costumam ajustar o horário de sono de acordo com a rotina do dono – de forma que dormem mais quando estão sozinhos e menos na sua presença.

Agora, se você acha que seu gato está dormindo demais, além do normal, a pedida é leva-lo ao médico veterinário para saber se ele está com algum problema de saúde.

 

Mau tempo faz Cãopeonato ser remarcado para o dia 10 de novembro

Foi remarcado para o próximo dia 10 de novembro o Cãopeonato que iria acontecer no Cãotinho Pet, do Parque da Cidade, em Laranjeiras, no último dia 28 de outubro. O motivo foi o mau tempo.

O evento é direcionado para cães e seus proprietários. Quem quiser participar as inscrições serão feitas no local. Cães de todos os portes e raças serão bem-vindos nas atividades.

Na agenda estão circuito com obstáculos, como túnel e rampa para cães que fizerem o percurso em menos tempo, além de outras brincadeiras como concurso do cão mais guloso, do mais estiloso, e do mais obediente. Quem participar das atividades vai concorrer ainda a diversos prêmios.

O Cãopeonato será das 7 às 11 horas na área recém-inaugurada pela Prefeitura da Serra, o Espaço Cãotinho Pet, que fica dentro do Parque da Cidade.

Também serão realizadas palestras sobre cuidados com a pele do animal, prevenção de pulgas e carrapatos, alimentação de qualidade, benefícios de uma boa ração, estresse canino, importância de um bom suplemento alimentar e saúde da boca, além outros assuntos como os principais tipos de vermes, seus sintomas e ações no organismo dos cães.

O evento é uma parceria entre a Prefeitura da Serra e as marcas Ibasa, Must, Ciclos, Croc, CanniDog, Nutripharme e UCBVet, representadas pelo grupo Pet Nobre. Informações pelo telefone 3291-2402.

 

Disputa no parque para conhecer o cachorro mais rápido e estiloso

 

Nancy e Ana Julia os cães Lulu e Athena. Foto: Gabriel Almeida

A cachorrada vai tomar conta do Parque da Cidade, em Laranjeiras, neste sábado (27). Isto porque o local será palco do evento Cãopeonato do Parque, direcionado para cães e seus proprietários. Quem quiser participar as inscrições serão feitas no local. Cães de todos os portes e raças serão bem-vindos nas atividades.

Na agenda estão circuito com obstáculos, como túnel e rampa para cães que fizerem o percurso em menos tempo, além de outras brincadeiras como concurso do cão mais guloso, do mais estiloso, e do mais obediente. Quem participar das atividades vai concorrer ainda a diversos prêmios.

De Jacaraípe, Thomaz Scardua de Araújo pretende ir com a família e levar seu cachorro Baruck, um american. “Vou levá-lo para poder encontrar outros animais e se divertir. É bem difícil sair com o Baruck, porque quando passeamos as pessoas acham que é um animal violento e é justamente o contrário. Ele é extremamente dócil, tenho uma filha de três anos que faz cavalinho nele. Esta será uma oportunidade para ele poder curtir e ter um momento de lazer com todo mundo junto”, conta.

De Castelândia, Júlia Santana disse que vai levar seu poodle Pingo para participar das atividades.  “Será uma ótima oportunidade para se divertir com outros animais e outras pessoas. Fico feliz quando vejo shoppings e parques abrindo as portas para os cães. Pretendo inscrever ele no circuito”.

Já Ana Julia Ibañez, de Laranjeiras, pretende levar dois dos seus três cães ao evento. “Athena e Heros tem muita energia e este será um bom momento para que eles gastem toda essa disposição que eles têm. Será ótimo para socializar com outros animais e outros donos de cães também”, declara.

O Cãopeonato será das 7 às 11 horas na área recém-inaugurada pela Prefeitura da Serra, o Espaço Cãotinho Pet, que fica dentro do Parque da Cidade.

Também serão realizadas palestras sobre cuidados com a pele do animal, prevenção de pulgas e carrapatos, alimentação de qualidade, benefícios de uma boa ração, estresse canino, importância de um bom suplemento alimentar e saúde da boca, além outros assuntos como os principais tipos de vermes, seus sintomas e ações no organismo dos cães.

O evento é uma parceria entre a Prefeitura da Serra e as marcas Ibasa, Must, Ciclos, Croc, CanniDog, Nutripharme e UCBVet, representadas pelo grupo Pet Nobre. Informações pelo telefone 3291-2402.

Vitória terá centro ecológico para recuperar jacarés

Entre as atividades do fim de semana está educação ambiental para toda família. Foto: Leonardo Merçon/Últimos Refúgios

Neste final de semana – dias 27 e 28 acontece a inauguração do Centro Ecológico Projeto Caiman, onde funcionará a sede do primeiro Centro de Conservação, Pesquisa e Educação Ambiental de Jacarés do Brasil – que funcionará no Parque Municipal da Fazendinha, em Jardim Camburi, Vitória.

A programação de inauguração começa no sábado (27), às 10 horas e contará com atividades de educação ambiental para toda família, além de foodtrucks, e ainda  apresentação musical.

Já no domingo (28), a partir das 9 horas, terá atividades de educação ambiental. Tudo isso dentro do Parque Fazendinha, em Jardim Camburi.

No Parque ficarão ainda dois jacarezinhos que serão os mascotes da sede do Instituto e inclusive os nomes dos répteis serão escolhidos durante a o evento de inauguração.

Entre os pilares da iniciativa estão a pesquisa aplicada a conservação dos jacarés e da Mata Atlântica, educação ambiental, turismo, a formação de jovens pesquisadores e a reabilitação de jacarés. O Projeto Caiman é referência no estudo e na conservação dos jacarés-de-papo-amarelo no Brasil e tem atuado fortemente na proteção desses animais em terras capixabas.

O Centro Ecológico Projeto Caiman é uma iniciativa do Instituto Marcos Daniel e da Prefeitura Municipal de Vitória.

Parque da Cidade terá evento com atividades para cães no dia 27

Poderão participar do Cãopeonato todas as raças e portes de cães. Foto: Pixabay

No próximo dia 27 de outubro, um sábado, o Parque da Cidade vai receber um evento diferente. Trata-se do Cãopeonato do Parque, direcionado para cães e seus proprietários. O objetivo é realizar o circuito do parque em menos tempo e quem quiser participar as inscrições serão feitas no local. Cães de todos os portes e raças serão bem-vindos nas atividades.

Na agenda muitas brincadeiras como circuito, concurso do cão mais guloso, cão mais estiloso e cão mais obediente. Quem participar das atividades vai concorrer ainda a diversos prêmios.

O Cãopeonato será das 7 às 11 horas na área recém-inaugurada pela Prefeitura da Serra, o Espaço Cãotinho, que fica dentro do Parque da Cidade, em Laranjeiras.

Também serão realizadas palestras sobre cuidados com a pele do animal, prevenção de pulgas e carrapatos, alimentação de qualidade, benefícios de uma boa ração, estresse canino, importância de um bom suplemento alimentar e saúde da boca, além outros assuntos como os principais tipos de vermes, seus sintomas e ações no organismo dos cães.

O evento é uma parceria entre a Prefeitura da Serra e as marcas Ibasa, Must, Ciclos, Croc, Canni Dog, Nutripharme e UCBVet, representadas pelo grupo Pet Nobre.

Informações pelo telefone 3291-2402.

Serviço:

CÃOPEONATO

Circuito: o objetivo é realizar o circuito do parque em menos tempo;

O cachorro mais guloso: o cachorro que comer mais rápido a ração no comedouro é o vencedor;

O cachorro com mais estilo: onde as pessoas participantes poderão votar no cachorro que estiver mais arrumado, com uma roupinha mais interessante;

DEFINIÇÃO DE PORTES

Pequeno: 5 a 10kg;

Médio: 10 a 25kg;

Grande: 25 a 45kg;

PREMIAÇÕES

O cão mais guloso.

– Porte pequeno: Cesta de petiscos da Mastig e um comedouro;

– Porte médio/ grande: Cesta de petiscos da Mastig e um comedouro;

O cão mais estiloso.

– Porte pequeno: 2 roupinhas e 1 caminha.

– Porte médio/ grande: 2 roupinhas e 1 caminha.

Circuito:

– Porte pequeno: Cesta (comedouro, brinquedo, saco de Must ou Croc 3kg, Spritz e Shampoo da Ibasa).

– Porte médio/ grande: Cesta (comedouro, brinquedo, saco de Must ou Croc 3kg, Spritz e Shampoo da Ibasa).

REGRAS PARA BOA CONVIVÊNCIA:

É obrigatório o uso de guia;

Caso o seu cão seja temperamental aconselhamos o uso de focinheira;

Mantenha seu cãopanheiro hidratado durante o evento;

Todas as raças serão bem-vindas;

As inscrições serão no local;

Número de inscrição para as competições será limitado;

Bom exemplo: dono de restaurante adota cães de rua na Serra

Jovem a caminho da casa de Ricardo. Foto: Reprodução Facebook

Um dos proprietários do restaurante Cabana do Luiz, em Jacaraípe, Ricardo Modenesi, deu um bom exemplo e, de quebra, uma nova vida para dois cães que viviam nas ruas do balneário.

Jorginho e Jovem, que viveram por dois anos em frente ao restaurante, foram adotados pelo empresário. Os animais eram alimentados  e interagiam com clientes e funcionários do local. “Neste período presenciei atropelamentos, maus-tratos, feridas de brigas pela rua. Já tive que correr com o Jorginho para a clínica veterinária, um problema que rendeu nada menos que 15 pontos na ‘fuça’. Mas também presenciei  ambos defenderem o restaurante de invasões na madrugada, divertirem clientes com suas sonecas sem fim  no tapete da entrada do salão e, claro né, o super carinho comigo ao ponto de chorar, gritar e fazer xixi todo dia quando chegava na Cabana”, conta Ricardo. 

Jorginho precisou ser dopado para ser levado a casa de Ricardo. Foto: Reprodução Facebook

O comerciante descreve que sempre sonhou em dar um lar aos dois. “Não sabia o momento da minha vida que realizaria o sonho de morar em uma casa, mas sabia que quando esse dia chegasse eu levaria os dois comigo. Foi promessa olhando no fundo do olho. O sonho foi realizado, e a promessa, cumprida”.

Jovem e Jorginho vigiavam o restaurante e colocavam para ‘correr’ quem ameaçasse a paz do restaurante. “Jorginho chegou a alertar sobre uma invasão, latiu em direção à janela do apartamento do meu pai que mora ali perto. Ele acordou e conseguiu evitar o assalto”.

A vida dos cães agora é rodeada de amor, conforto, carinho e cuidados. “Nunca mais vão dormir no chão frio, serem açoitados, chuva na ‘fuça’, fome ou brigas por território”.

Ricardo, que tem ainda a cadela Indy, uma mini Shiatsu, completa dizendo que a adaptação com Jorginho e Jovem foi um sucesso. “Uma vez castrados, deu tudo certo. Tive o apoio da clínica veterinária Medicão, que fez um valor bem acessível para o procedimento. Foi um incentivo pela adoção dos dois. Se cada um adotar um cachorro, nunca mais vai ter animal de rua. Pode ser legal comprar um cachorro de raça bonito, mas adotar, resgatar um, não tem comparação”.

Confira alguns momentos da dupla , quando ainda viviam em frente ao restaurante e também na casa de seu novo dono:

 

 

Fotógrafos registram bando de colhereiros no Mestre Álvaro

Colhereiros durante passagem nos alagados do Mestre Álvaro. Foto: Hilton Monteiro Cristóvão

Ativista ambiental e fotógrafo da fauna e flora da Serra, Hilton Monteiro Cristóvão fez um flagrante diferente nos Alagados do Mestre Álvaro. Ele que já fotografou grupos de marreca-cabocla, capivaras, jacarés do papo-amarelo, cegonha e águia pescadora agora conseguiu flagrar um bando de colhereiros.

Segundo Hilton, as aves retornam à região alagada da Área de Proteção Ambiental do Mestre Álvaro repetindo o ciclo anual da rota migratória.

Ele ressalta a importância da preservação e consolidação da Área de Proteção Ambiental do Mestre Álvaro. “Virou um santuário com uma biodiversidade impressionante, atraindo fotógrafos e estudiosos da natureza de várias partes do Brasil e do mundo”.

O nome Colhereiro é por conta do bico, que é em formato de colher. Foto: Roberto de Oliveira Silva

Outro fotógrafo que também estava no local, Roberto de Oliveira Silva da Amoaves (Associação Martinense de Observadores de Aves) destaca que o bico tem a forma de uma colher, por isso o seu nome colhereiro. “Ele usa o bico para peneirar a água à procura de peixes, camarões, moluscos e crustáceos que contém a substância carotenóide, que deixa as penas rosas”.

Já Junior Nass, da ong Guardiões do Mestre já vem acompanhando a passagem dos colhereiros pelo Mestre Álvaro durante essa rota migratória há vários anos, tendo feito publicações frequentes no Wikiaves.

 

Família pede ajuda para encontrar cachorra desaparecida

Essa cachorrinha se chama Amora e está desaparecida desde o último dia 08 de setembro. Ela fugiu em Laranjeiras na Serra, próximo a Multiscan, na rua Lima Barreto.

A família está desesperada a sua procura. Quem tiver informação sobre a cadelinha pode entrar em contato com o número 99985-0916 Jeferson ou Ana Paula.

 

Serra já vacinou 32 mil cães e gatos e campanha continua no fim de semana

A Serra tem a maior população canina e felina do Espírito Santo, são cerca de 70 mil animais. Foto: Divulgação

Continua neste sábado (1) e domingo (2) a Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina nos bairros da Serra. O horário nos postos de atendimento será sempre das 7 às 17 horas.

Mais de cinquenta bairros vão receber os agentes da Vigilância Ambiental em Saúde (VAS). A vacinação na área urbana começou no último dia 25 e na área rural, em abrigos de animais e ongs ocorreu no final de julho e início de agosto. Até o último dia 29 de agosto já haviam sido vacinados 32 mil cães e gatos e a meta do município é vacinar 80% dos 70 mil animais existentes.

Segundo a Prefeitura da Serra, estima-se que existam em torno de 2 mil cães e gatos em situação de rua na Serra em 2018. Mas, vale lembrar, que segundo dados do próprio município, em 2015, este número chegava a 13 mil. A Serra tem a maior população canina e felina do Espírito Santo.

A vacina antirrábica é gratuita e protege contra a raiva, uma doença que pode ser transmitida para humanos.

É recomendado levar a carteira de vacinação do animal, caso possua. E ainda caixa de transporte ou coleira e guia. Se o cão for agressivo, recomenda-se o uso de focinheira. Podem ser vacinados animais com idade a partir de 90 dias de vida.

 

Confira os locais de vacinação

1º/9 – sábado
BAIRRO ENDEREÇO
Feu Rosa Caixa d’água da Cesan – Rua das Dálias (quadra de esportes)
Farmácia Extra Farma – Rua das Camélias (supermercado Nossa Rede)
Bar e Distribuidora 20V – Rua dos Cactos, nº 27 (esquina com rua Violeta)
Posto A – praça em frente à Unidade de Saúde
Posto B (praça em frente à lanchonete Del Rei) – Rua dos Cravos com Flor de Eucaliptos
Igreja católica – Rua das Palmeiras com Botão de Ouro
Praça em frente ao Extrabom – Rua dos Cravos   
Bar do Pedro – Avenida Pau Brasil, nº 186 (próximo ao Verdurão Econômico) 
Bar da Simone – Rua Pau Brasil, nº 191 (esquina com Rua Oliveira)
Alterosa Igreja católica – Avenida Curitiba, s/n  
Vila Nova de Colares Pracinha (no começo do bairro)
Skina Bar – Avenida Colares Junior (próximo à Associação de Moradores)
Rede Inova Drogaria Popular – Avenida Colares Junior, nº 401
Comercial Dalcol – Avenida Colares Júnior, nº 164 (com Rua Itapuã)
Portaria da Engeurb (esquina da Rua Floriano Peixoto)
Morada de Laranjeiras Quadra de esportes – Avenida Copacabana
Solar das Laranjeiras Creche Play Kids – Rua dos Morangos, nº 6 (atrás do Posto Atlântico)
Portal de Manguinhos Distribuidora JH – Rua dos Rouxinóis (atrás do Ventura Essencial Life)
Guaraciaba Próximo à Igreja Assembleia de Deus
Chácara Parreiral Praça da Unidade de Saúde
Camará Bar do Miro (antiga Delplastic) – Rua José Luiz da Rocha, nº 31   
Jardim Limoeiro Power Print – Avenida Lourival Nunes, nº 404 (próximo ao restaurante China Tem)
Horti Frutti Limoeiro – Avenida Guarapari, nº 839 (próximo à caixa d’água)
São Diogo I Centro Comercial – Rua Euclides da Cunha, s/n
São Diogo II Praça em frente ao Bar Toda Hora – Rua Eça de Queiróz
Novo Horizonte Casa de ração em frente à Brasil Gás
Pracinha (apoio Eletro Viva Material Elétrico, na esquina)
Comercial Nero – Avenida Brasil, nº 168
CAIC – Rua do Sanhaço, nº 1
São Geraldo Praça ao lado do campo de futebol
Manoel Plaza Quadra de esporte – Rua L, nº 13
Rosário de Fátima Rua Santos Dumont (esquina com a rua L)
Eurico Salles Praça da Escadaria – Rua Colibri (próximo ao Centro Comunitário)
Hélio Ferraz CSU (Centro Social Urbano) – Rua Rio Negro, s/n
Carapina I Centro Comunitário Castro Alves – Rua C3, s/n (rua do Bar do Miguel) 
Bairro de Fátima Pracinha do bairro – Avenida José Rato
Jardim Carapina Padaria Novo Milênio – Avenida Castro Alves, nº 108 (rua da feira) 
Pracinha do Colégio Paulo II – Rua Afonso Cláudio   
Avenida Vitória, nº 38 (esquina com a Presidente Dutra) 
Padaria Pão Legal – Avenida Porto Seguro, nº 106 (esquina com a Pedro Canário)
Bar Ponto Final (próximo ao Nossa Rede)
Boa Vista Padaria WA – Rua José Silva Lima, nº 8 (esquina com a Avenida Salvador)
Praça do Posto Médico – Rua Antonio Gervásio, s/n  
André Carloni Ginásio de esportes – Rua Santo André (antiga Rua B)
Carapina Grande Pracinha do bairro
Campo do Ypiranga – Rua Portugal
Antiga rinha (próximo ao Cesconetto) – Rua Antonio Nascimento, nº 19
Diamantina Pracinha do bairro – Apoio Centro Comunitário
Central Carapina Projeto Shalon – Avenida Vitória, nº 21
Igreja católica (final do bairro)
Pracinha do bairro – Avenida Brasil
Antiga escola Antonio Vieira (Centro Comunitário) – Avenida Vitória, s/n   
Jardim Limoeiro Vigilância Ambiental em Saúde

 

 

2/9 – domingo
BAIRRO ENDEREÇO
Jardim Tropical Supermercado Coutinho – Rua 7 de setembro (esquina com Avenida Central)
Antigo Bar do Conrado – Rua Santa Luzia, nº 160 (esquina com Rua São José)
Pracinha do bairro – Avenida Dido Fontes (apoio trailer da pracinha)
Cantinho do Céu Pracinha do bairro – próximo à torre de energia (descida de Central Carapina)
José de Anchieta II Supermercado Solar – Rua Santa Luzia, nº 112
Pracinha (próximo à Padaria Amorim) 
Solar de Anchieta Igreja Assembleia de Deus Vida Renovada – Rua Santa Catarina
José de Anchieta Praça atrás da EEEMF Silvio Egito Sobrinho
Rua Palmeiras (Centro Comunitário, ao lado da igreja católica)
Supermercado Todo Dia (antigo Leila) – Rua Nogueira, nº 38
Primeira pracinha (em frente ao Marqcial Material de Construção) 
Quadra de esportes – Rua Peroba do Campo, s/n
Residencial Vista do Mestre Material de construção Brito – Rua Água Marinhas, nº 100
Laranjeiras Velha EEEFM Laranjeiras – Avenida Manoel Nunes, s/n (bicicletário)
Valparaíso Praça do Extrabom – Avenida Guarapari
Bar do Ceará – Avenida Anchieta (próximo à padaria DJ)  
Parque Residencial Laranjeiras Ginásio poliesportivo – Rua Coelho Neto, nº 80, em frente aos Correios
Pracinha atrás do Extrabom – Rua Tomaz Edson
Praça – Rua Miguel Ângelo, nº 271 (apoio Toka do Elcinho)
Chico City (Atlantic Vinir) Caldinhos da Mari – Avenida Catarina, nº 7 (Bar da Rosa)
Colina de Laranjeiras Pracinha – Rua Monte Carmelo, nº 34 (apoio Padaria Por do Sol)
Bar Jaqueira (Bar da Rose) – Rua Hermann Sterm, nº 66
Taquara I Pracinha do bairro – Rua Jordão Magno de Ouro
Taquara II Pracinha do bairro – Rua 13 de maio
Barcelona Lual Pet Shop – Avenida Ilhéus, nº 67
Pracinha da EEEFM Sizenando Pechincha – Avenida Região Sudeste
Pracinha – Avenida Região Sudeste (apoio Hot Batata)
Av. Petrópolis, nº 247 (Varandas Pastelaria, próximo à Igreja Assembleia de Deus)
Av. Anápolis (pracinha da igreja católica)
Maringá Pracinha (quadra de esportes, no início do bairro) 
Mata da Serra Próximo à EMEF Ministro Petrônio Portella – Rua Serrana, s/n.º  
Porto Canoa Pracinha do Centro Comunitário – Rua das Perdizes
Planície da Serra Pracinha – Rua F
Residencial Tubarão Ponto final do ônibus – Avenida Vaticano, nº 32
Tubarão Material de Construção – Avenida Roma, nº 198
Serra Dourada II Ponto final de ônibus – Rua Azaléia, nº 23 (Igreja Santa Rita)
Unidade de Saúde – Avenida Brasília
EEEFM Elice Baptista Gáudio – Rua das Tulipas, s/n
Bar do Lima – Rua Gardênia (1º orelhão)
Praça – Avenida Belo Horizonte
Serra Dourada I Supermercado HC (próximo à Assembleia de Deus)
Cansados Bar – Avenida Rio de Janeiro, nº 24
Igreja Maranata – Avenida Vitória, nº 27
Serra Dourada III Centro Comunitário – Avenida Salvador, s/n
Supermercado Serra Dourada – Rua Jabu

Começa neste final de semana vacinação contra a raiva na Serra

A vacinação acontece neste sábado (25) e domingo (26) e nos dias 1 e 2 de setembro. Foto: Agência Brasil

Neste final de semana começa a Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina nos bairros da Serra. A imunização começa nos dias 25 e 26 de agosto e se encerra nos dias 1 e 2 de setembro. O horário nos postos de atendimento será sempre das 7 às 17 horas.

Neste final de semana, será atendida uma região do município, no total de 220 postos de vacinação. Mais de cinquenta bairros vão receber os agentes da Vigilância Ambiental em Saúde (VAS).

A vacina antirrábica é gratuita e protege contra a raiva, uma doença que pode ser transmitida para humanos.

É recomendado levar a carteira de vacinação do animal, caso possua. E ainda caixa de transporte ou coleira e guia. Se o cão for agressivo, recomenda-se o uso de focinheira. A vacinação deve ser realizada anualmente a partir de quatro meses de idade.

No final de julho e início de agosto a Campanha de Vacinação Antirrábica foi realizada em ONGs, abrigos e na zona rural. A Serra tem a maior população canina e felina do Espírito Santo.

A campanha anual é uma das ações mais eficazes do Programa de Controle e Profilaxia da Raiva. Isso porque em curto espaço de tempo um grande número de animais é vacinado, formando uma barreira imunológica capaz de interromper a transmissão da raiva nas populações canina e felina de uma comunidade, protegendo, assim, a população humana.

Confira os bairros que vão receber a vacinação neste final de semana e do próximo:

 

Dia 25/08 – Sábado

Barro Branco

Mestre Álvaro

Pitanga

Nova Carapina I e II

Campinho da Serra I e II

Vista da Serra I e II

Planalto Serrano

Bairro Continental

Caçaroca

São Lourenço

Santo Antônio

Cascata

Serra-Sede

São Marcos I, II e III

Nossa Senhora Conceição (Areinha)

Jardim da Serra

Jardim Guanabara

Residencial Centro da Serra

São Domingos

Bairro Palmeira

Jardim Bela Vista

Divinópolis

Belvedere

26/08 – Domingo

Parque das Gaivotas

Serramar

Praiamar

Nova Almeida

Bairro Novo

Morro São João

Marbela

Costa Bela

Enseada de Jacaraípe

Magistrado

São Francisco

Bairro das Laranjeiras

Jardim Atlântico

Costa Dourada

Lagoa de Jacaraípe

Residencial Jacaraípe

Portal de Jacaraípe

Praia da Baleia

Castelândia

Parque Jacaraípe

São Patrício

Estância Monazítica

Manguinhos

Bicanga

Balneário Carapebus

Cidade Continental

Praia de Carapebus

Lagoa de Carapebus

Dia 01/09 – Sábado

Feu Rosa

Alterosas

Vila Nova de Colares

Morada de Laranjeiras

Solar de Laranjeiras

Portal de Manguinhos

Guaraciaba

Chácara Parreiral

Camará

Jardim Limoeiro

São Diogo I e II

Novo Horizonte

São Geraldo

Manoel Plaza

Rosário de Fátima

Eurico Salles

Hélio Ferraz

Carapina I

Bairro de Fátima

Jardim Carapina

Boa Vista

André Carloni

Carapina Grande

Diamantina

Central Carapina

Dia 02/09 – Domingo

Jardim Tropical

Cantinho do Céu

José de Anchieta

José de Anchieta II

Solar de Anchieta

Residencial Vista do Mestre

Laranjeiras Velha

Valparaíso

Parque Residencial Laranjeiras

Atlântic Venner

Colina de Laranjeiras

Taquara I e II

Barcelona

Maringá

Mata da Serra

Porto Canoa

Planície da Serra

Residencial Tubarão

Serra Dourada I, II e III

Novo Porto Canoa

Eldorado

Cidade Pomar

Projeto para identificar animais e registrar em cartório está parado na Assembleia

A proposta prevê um sistema de identificação que ficaria a cargo do Estado e a chipagem de cães e gatos que ficaria a cargo dos municípios: mas foi considerada inconstitucional. Foto: Divulgação

A criação de um sistema para identificação, registro e proteção de cães e gatos é objeto de um Projeto de Lei (PL) que está parado na Assembleia Legislativa do Espírito Santo. O objetivo é a prevenção, o controle populacional, a identificação e a punição em caso de abandono ou maus-tratos de animais.

Atualmente existe uma plataforma nacional de registro de animais da qual apenas os seguintes Estados fazem parte: Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. A plataforma emite o documento de identificação animal.  

Esse documento funciona como uma “certidão” dos felinos, trazendo informações como nome, raça, cor da pelagem, marcas – como cicatrizes –, fotos, registro na prefeitura, histórico médico e dados do tutor.

O PL 206/2018 de autoria da deputada Janete de Sá (PMN) foi considerado inconstitucional pela Comissão de Justiça da casa de leis. A parlamentar recorreu a decisão e caso seja mantida a inconstitucionalidade, a proposta nem será lida no plenário da Assembleia.

Segundo o projeto, o sistema seria disponibilizado pelo Estado, devendo ser acessível e padronizado. Já a identificação do animal seria feita por um dispositivo subcutâneo, sendo o município o responsável pelo aparelho. 

A proposta prevê também a realização de campanhas educativas e de conscientização da sociedade sobre a importância do registro animal.

Janete afirma que aumenta a cada dia o número de animais abandonados no Estado e considera ineficazes as políticas em vigor em alguns munícipios. “É crescente número de cães e gatos que vagam pelas ruas, não só pela procriação normal, mas pelo número de abandonos. A política que muitos municípios adotam em controlar as zoonoses e a população de animais, adotando o método da captura seguida da eliminação de animais encontrados nas vias públicas, é ultrapassada e ineficaz”, pontua a deputada.

 

Feira de Adoção: a chance de ter um pet para chamar de seu

Sonha em ter um cão ou gato para chamar de seu? Que tal optar pela adoção? Neste sábado (4), animais estarão disponíveis para adoção na quarta Feira de Adoção de Cães e Gatos, que acontece a partir das 10h00, próximo à Decathlon, no Shopping Vila Velha.

“Acreditamos na adoção como a melhor forma de ter um cão ou um gato. Para que comprar, se é possível adotá-los e diminuir o abandono de animais? Na última edição realizada, ficamos muito felizes porque a maioria dos pets foi adotada”, afirma a vice-presidente da ONG, Yara Guimarães.

Segundo ela, todos os animais que estarão na feira e que têm a partir de seis meses já são castrados. Os filhotes ainda não castrados recebem, inclusive, um vale para garantir a castração por um valor mais em conta. Todos também estão vacinados e vermifugados.

É importante lembrar que para adotar é preciso ter mais de 18 anos e apresentar RG e comprovante de residência.

Serviço:

Feira de Adoção de Cães e Gatos:

– Quarta edição

– Dia: 4 de agosto

– Horário: a partir das 10h00

–  Local: G2, próximo à Decathlon

–  Realização: Shopping Vila Velha e ONG Amizade É Um Luxo.

Você tem aves em casas? Sabe como cuidar?

Os psitacídeos (araras, papagaios, calopsitas, periquitos…) alimentam-se principalmente de sementes, frutas e flores. Existe grande variedade nos itens consumidos em função da disponibilidade alimentar nas diferentes estações climáticas.

No cativeiro, a maioria dos psitacídeos ainda é alimentada com mistura de sementes, predominando o girassol. A alimentação exclusiva com essas misturas é extremamente prejudicial à saúde e a longevidade das aves, pois possuem excesso de gordura, quantidade e relação de cálcio e de fósforo inadequadas, além de níveis de aminoácidos e de vitaminas insuficientes. São comuns os casos de papagaios que após vários anos de cativeiro e alimentação à base de girassol são acometidos por distúrbios decorrentes da deficiência de vitaminas e aminoácidos ou apresentam lipidose hepática.

Atualmente, varias raçoes balanceadas para psitacídeos vem sendo comercializadas no mercado brasileiro, classificadas em ração de manutenção, reprodução, e criação de filhotes. Essas formulações substituem plenamente os alimentos in natura. São práticos de usar, de boa palatabilidade, boa digestibilidade e tornam as aves melhor nutridas e menos susceptíveis a infecções oportunistas e problemas metabólicos nutricionais .

Na falta dessas rações, a dieta a ser prescrita deve levar em consideração os hábitos alimentares, necessidades nutricionais da espécie, palatabilidade, disponibilidade e qualidade dos alimentos na região, facilidade de preparação pelo proprietário e o balanço nutricional.

Dr.  Uirandê Gonçalves Busotti.  Médico Veterinário especializado em pássaros,  tartarugas e silvestres – Médico Veterinário da Climev Laranjeiras

Projeto quer criação de Coordenadoria de Defesa Animal no ES

Uma das atribuições seria fiscalizar os centros de controle de zoonoses do Estado. Foto: Divulgação

Para combater os maus-tratos aos animais no Espírito Santo, um deputado estadual propôs por meio de um projeto Indicativo, que o Executivo crie a Coordenadoria de Defesa Animal, ligada à Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama).

O novo setor deverá organizar campanha de esterilização de animais de rua e de conscientização da população contra crime de maus-tratos. O deputado propõe que a campanha seja realizada na semana anterior ao Dia Mundial do Animal, celebrado anualmente em 4 de outubro, desde 1930.

Segundo a indicação, entre as  atividades permanentes da coordenadoria estão regulamentar e fiscalizar a criação e o comércio de animais. Outra tarefa seria fiscalizar os centros de zoonoses no Estado.

A criação da nova estrutura teria por objetivo “regulamentar e fiscalizar tanto os estabelecimentos que promovem o comércio de animais, bem como as feiras livres, além de outros locais em que são mantidos em cativeiro”, afirma o parlamentar.

A indicação 491/2018 foi lida e aprovada pelo Plenário da Assembleia Legislativa e encaminhada ao governador Paulo Hartung (MDB) para aprovação.

Gatos precisam de vacinas além da raiva: veja a importância delas

Assim como os cães, os gatos também precisam ser imunizados.  Existem 3 tipos diferentes de vacinas para gatos.  A que protege contra três doença,  a que protege contra quatro doença e a que protege contra cinco doenças.

Em filhotes a primeira dose deve ser dada aos 60 dias e requer reaplicação após 30 dias,  em alguns casos a terceira dose deve ser administrada,  o médico veterinário é falará se há esta necessidade. E assim como em cães deve ser dado doses de reforço anuais. 

A vacina múltipla protege contra…

A panleucopenia que é uma doença infecciosa causada por um vírus de fácil transmissão que se dá por meio de secreções no ambiente e por ingestão oral. Os sinais normalmente são falta de apetite, vômito, diarréia, febre, dor abdominal e mucosas pálidas;

Rinotraqueíte leva a doença respiratória, muito contagiosa entre os gatos, sendo similar a um resfriado humano. Os sinais são espirros, perda de apetite, febre, corrimento nasais e oculares, conjuntivite;

Calicivirose é transmitida de animal para animal, filhotes são os mais acometidos, principalmente em locais onde tem aglomeração de gatos, normalmente a doença é aguda, leve e auto-limitante. Os sinais são secreções nasais e oculares, úlceras orais, febre e dificuldade de se locomover;

Clamidiose (existente na V4 e V5 apenas),  é transmitida entre gatos por contato direto por via de secreções nasais e oculares. Em alguns animais pode ser assintomático, mas os sinais mais comuns são febre, espirros, tosse, conjuntivite com secreção ocular, dificuldade de respirar, e em filhotes geralmente podem desenvolver pneumonia.

A V5, protege além das doenças descritas também contra a Felv,  é um vírus que causa leucemia em gatos.  Esse vírus leva a um quadro mais grave de outras doenças que o gatinho possa ter,  justamente por ter comprometimento do seu sistema imunológico. 

Imunizar o seu felino é um ato de responsabilidade.  Leve seu gatinho anualmente para vacinar e ficar protegido contra doenças que podem ser fatais.

Por Dra Bruna Franklin Coutinho

Médica Veterinária da Climev Laranjeiras

Vacinação contra raiva em cães e gatos começa nesta segunda na Serra

Começa nesta segunda (23) na Serra, a Campanha de Vacinação Antirrábica em cães e gatos. Inicialmente serão vacinados os cães e gatos da zona rural do município e os que estão em ong’s ou abrigos. A vacina será para todos os animais a partir de 90 dias de vida.

Até sexta-feira (27), a equipe da Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) circulará por Putiri e Chapadão. Já entre os dias 30 de julho e 3 de agosto, visitará Muribeca, Itaiobaia, Aroaba e Morro do Céu. De 6 a 10 de agosto, é a vez de Chapada Grande, Santiago da Serra e Cidade Nova da Serra. E Queimado, Pitanga e Guaranhuns recebem as visitas de 13 a 17 de agosto.

A Serra tem a maior população canina e felina do Espírito Santo. Desde 2006, não há casos de raiva em gatos ou cachorros no município. A campanha anual é uma das ações mais eficazes do Programa de Controle e Profilaxia da Raiva.

Os dias e locais de vacinação na área urbana serão divulgados em breve. O dia D de Vacinação ocorrerá no dia 9 de setembro.

Vacinação em cães: saiba porque proteger seu cão de doenças que podem ser mortais

Para a imunização ser eficiente o ideal é que cães sejam vacinados com 45 dias de vida, e que seja feita as três doses da vacina múltipla e em alguns casos pode ser necessário aplicar a quarta dose,  e que seja feita a revacinação anualmente para maior proteção do seu cãozinho.

A vacina múltipla protege seu animal de algumas doenças, sendo elas…

A cinomose que é uma doença causada por um vírus muito contagioso, que é passada de cão para cão por secreções orais, oculares, nasais e até mesmo por fezes. É uma doença que ataca vários órgãos, e os principais sintomas que os animais podem apresentar é depressão, secreções orais e nasais, convulsões, animal fica sem se alimentar e beber água, além disso, pode ter movimentos involuntários de membros;

Parvovirose que é uma doença transmitida por um vírus e são transmitidos principalmente pelas fezes, os filhotes e os que não são vacinados são os principais acometidos, fazendo com que o animal apresente diarréia fétida com ou sem sangue, o animal perde peso rápido, apresentando vômito, parando de se alimentar e beber água e depressão;

Outra doença semelhante à parvovirose é a coronavirose sendo transmitida da mesma forma e apresenta os mesmo sinais da parvovirose só que de forma mais branda;

Hepatite infecciosa também é transmitida por vírus por exposição de secreções nasais e oral, fezes e urina. O animal pode apresentar sinais de febre, tosse, petéquias (pequeno ponto vermelho) pelo corpo, fezes escurecidas, sangue oriundo do nariz, depressão, vômito, diarréia e dor abdominal;

O vírus da parainfluenza é altamente transmissível, aparecendo com maior frequência no inverno e é transmitida por contato direto. Os sinais apresentados são na maioria dos casos tosse, secreções oculares e nasais, pode ou não ter febre e falta de apetite;

A leptospirose é uma doença transmitida pela urina de rato onde o animal teve o contato. Os sinais clínicos mais clássicos são vômito, diarréia, dor abdominal, hemorragia, perda de apetite, urina de cor escura. A vacina múltipla protege o cão dos quatro subtipos de leptospirose.

Siga sempre as orientações do médico veterinário e lembre-se que as vacinas eficazes de verdade são aquelas aplicadas por médicos veterinários,  em clínicas veterinárias que assinam e carimbam a carteirinha de vacinação.

Por Dra Bruna Franklin Coutinho

Médica Veterinária da Climev Laranjeiras

Você sabe por que é importante levar  seu pet no veterinário?!

Você sabia que animais são como crianças? A única diferença é que crianças crescem e viram adultos e os animais serão como crianças enquanto estiverem vivos. E essa semelhança não trás só alegrias, mas também responsabilidades.

Ter um animal em casa requer gastos com alimentação, vacinas, vermífugos, banhos e atendimento médico veterinário e exames. Esteja preparado para surpresas em seu orçamento quando seu mascote resolver comer algo que não deve (seja alguma comida ou brinquedo ou qualquer objeto); que diga se de passagem é uma urgência! Não dá para esperar um, dois ou sete dias para levá-lo no médico veterinário.

Além disso, o seu pet pode ficar doente de alguma doença viral ou bacteriana sem você estar preparado. Como em humanos a doença não avisa quando aparece nem escolhe a data que recebemos o décimo terceiro, ou ganhamos algum bônus, ou somos sorteados em algum concurso. Ela aparece quando menos se espera, e ser um tutor responsável requer que você arque com os gastos para restabelecer a saúde do seu filho peludo.

Investimentos como a castração e a vacinação anual (gente é a vacina múltipla, aplicada em uma clínica veterinária, por um médico veterinário que assina e carimba, não aquela dada em campanhas e em casas de ração), esses investimentos que podem parecer altos a princípio, são o melhor para prevenir que seu pet tenha doenças graves e que muitas levam a um óbito com o animal em um grande sofrimento, como é o caso do câncer de útero e ovário, da piometra, (não ocorre em fêmeas castradas); do câncer de testículo (não ocorre em machos castrados) e da cinomose, parvovirose, coronaviroses e todas as outras que não ocorre em animais vacinados anualmente (sim anualmente significa tomar vacina todo ano), e mais uma vez lembrando… não é aquela vacina de campanha ou aquela aplicada pelo balconista da casa de ração. É a vacina aplicada em clínicas veterinárias, por médicos veterinários, assinada e carimbada.

Vamos ser responsáveis pelas vidinhas inocentes que pegamos a guarda, se ele parou de comer, se está engordando ou emagrecendo muito rápido, se está vomitando, se está com diarreia, se está sem evacuar se está fazendo muito ou pouco xixi, se está com hálito ruim, se a pele está com feridas, se está com falhas no pelo, se está andando diferente e se comportando diferente do normal, se apresentar estar com dor, se estiver mancando, se aparecer alguma alteração nos olhos, focinhos, orelhas, patas, entre outras alterações leve o seu mascote ao médico veterinário, não ao (a) senhorzinho (a) que vende os “trem” na casa de ração… Eles não estudaram, não tem diploma, e vão fazer você gastar um dinheirão comprando um remédio que só vai piorar a saúde do seu pet. Quando sua roupa precisa de conserto você leva ela em um mecânico? Não né? Leva em uma costureira, e levar seu mascote em um médico veterinário é a mesma coisa. E lembrem se, levar rápido, aguardar dias só vai piorar a doença dele e as chances do seu mascote morrer serão triplicadas.

Dra. Patrícia R. de Oliveira Médica Veterinária da Climev Laranjeiras

Roupas e outros cuidados para o pet não passar frio no inverno

Fernanda Crema investe em roupinhas para esquentar seus cães em dias mais frios. Foto: Fábio Barcelos

Ana Paula Bonelli

O tempo frio não afeta somente os seres humanos. Cães e gatos também são vulneráveis as baixas temperaturas do inverno. E para esquentar os animais, cada dono de pet dá seu jeitinho, seja com roupinhas compradas ou com cobertores e casinhas especiais para eles.

Em Parque Jacaraípe, Vivian Nardoto Pinciara, costuma usar roupinhas nos cachorros na época do frio. “Principalmente nos velhinhos e nos de pelo bem curto. Têm de tudo, de roupas compradas em lojas ou feitas com tecido, camisetas velhas, mangas de suéter ou meias, dependendo do tamanho do cachorro. Sigo essa linha também com os cachorros comunitários que cuidamos perto de casa; mesmo com a casinha deles e panos, quando está muito úmido e ventando percebo que ficam com frio e coloco camisetas velhas cortadas como roupinha. Já os gatos, pelo menos os meus, não parecem gostar da ideia, então não coloco roupas neles nem no frio. Deixo caixas ou casinhas para eles se abrigarem”, destaca.

De Castelândia, Fernanda Crema do Valle, também é adepta das roupinhas. “Compramos roupinhas de lã, de tecido de cobertor, vários tipos. Eles adoram e se mantem aquecidos quando o dia está muito frio. Tenho sete cães em casa, os que ficam nos canis têm suas cobertas e tapetinhos e todos com vacina viral em dia. Também tenho gatos e coloco paninhos e caixas para ficarem bem quentinhos”, conta.

De Praia de Capuba, Edmaura Fonseca, também agasalha seus pequenos. “Uso camisas, tecidos diversos, cobertores, tenho também muitas roupinhas que são doadas e uso nos animais de mais idade e com pelo curto. Também coloco paletes nos canis para eles dormirem sem ter acesso ao piso gelado. Fora isso, mantenho as vacinas em dia e os canis sempre sequinhos”, relata.

A médica veterinária Patrícia Ribeiro, da Climev Laranjeiras, alerta que assim como o período do inverno propicia problemas respiratórios e virais em seres humanos, os pets ficam mais suscetíveis.  “Fique atento à carteira de vacinação do seu cãozinho ou gatinho, pois, além de maior chance de doenças virais, a imunidade do seu pet pode cair no inverno. Animais de focinho achatado (braquicefálicos)  têm maior dificuldade de regular a temperatura do ar,  esses principalmente devem ficar em locais mais quentes”, esclarece.

Atenção com banhos e bichos de pelo longo

Patrícia também adverte sobre a frequência dos banhos que deve ser diminuída nessa época. “Idosos, filhotes e animais muito magros sentem maior frio. Fique atento a temperatura das orelhas e patinhas, se perceber que estão muito geladas ao seu toque aqueça-os”.

Já com relação ao uso de roupinhas, a profissional atenta para alguns detalhes. “Roupinhas são boas, entretanto aquece apenas o abdômen do animal, não aquece as regiões que ficam mais expostas. Alguns pets têm problemas de pele e o uso dessas roupas propicia problemas como dermatites fúngicas e bacterianas. O ideal é usar somente em animais com pelo curto. Os de pelo longo não tem necessidade de roupa, porque justamente esses tem maior incidência de problema de pele”.

 

 

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por