25.4 C
Serra
terça-feira, 14 de julho de 2020

Casagrande quer decretar estado de calamidade pública por conta da Covid-19

Leia também

A poucos meses da eleição, Serra têm 11 pré-candidatos a prefeito(a)

Com a data da eleição municipal definida, dia 15 de novembro e 29 para as cidades onde for haver...

Começa nesta quarta (15) bazar online que vai oferecer produtos com até 85% de desconto

Começa nesta quarta-feira (15) e segue até o domingo (19) mais uma edição do bazar Exagerado, conhecido pelo público...

Obra de urbanização da orla de Bicanga deve ser entregue em outubro, diz Prefeitura

As obras de urbanização da orla de Bicanga devem ser entregues em outubro, segundo a Prefeitura da Serra. O...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O governador enviará para a Assembleia quatro projetos de lei, entre eles,o que decreta calamidade pública no ES. Foto: Divulgação

O governador Renato Casagrande disse no final deste domingo (22) que encaminhará quatro projetos de lei para a Assembleia Legislativa referente a ações de combate a Covid-19. Um deles é o que decreta situação de calamidade pública no Espírito Santo.

“Temos tido total apoio da Assembleia nas ações de medidas que temos tomado e esta é para termos mais velocidade e capacidade de atuar com os atos na administração pública, tendo menos burocracia”, afirmou o governador.

O outro projeto é o que estabelece normas diferenciadas para contratação de servidores e compras de equipamentos hospitalares por parte do poder público de forma mais rápida. “Vamos precisar de mais gente na saúde. Enquanto durar a pandemia da Codiv-19 vamos ter mais facilidade para contratação de servidores e prestadores de serviços e equipamentos”, justifica.

Um terceiro projeto é para reduzir despesas pela redução da receita. Trata-se da redução de 22% da contribuição do estado ao fundo previdenciário para 14%. “Os servidores contribuem com 14% e o Estado com 22%, vamos passar a contribuir com 14%. Temos duas justificativas, os militares e bombeiros hoje tem um sistema de proteção social, então eles não são mais do fundo previdenciário e contribuíram neste tempo para o fundo previdenciário. Saíram de lá e o Estado hoje banca diretamente suas aposentadorias ficando um saldo lá e isso pode ser a decisão de agora, o saldo que ficou lá. Produz uma economia num momento que o Estado precisa de muita receita”, explica.

Por último, o Projeto de Lei quer autorizar a fazer reversão de fundos. “Podemos reverter esses fundos para o caixa do tesouro. Vamos encaminhar este projeto de lei para ver a reversão destes fundos. Isso tudo é para dar mais autonomia e velocidade nas ações que deverão ser tomadas nestes dias recorrentes de redução de receita e pela pressa que temos de tomar algumas medidas e as vezes a burocracia do Estado atrasa. Queremos ser mais eficazes e efetivos nessas ações, por isso essas decisões”, conclui.

Comentários

Mais notícias

Começa nesta quarta (15) bazar online que vai oferecer produtos com até 85% de desconto

Começa nesta quarta-feira (15) e segue até o domingo (19) mais uma edição do bazar Exagerado, conhecido pelo público capixaba por oferecer produtos diversos...

Obra de urbanização da orla de Bicanga deve ser entregue em outubro, diz Prefeitura

As obras de urbanização da orla de Bicanga devem ser entregues em outubro, segundo a Prefeitura da Serra. O município também disse por meio...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!