29 C
Serra
quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Casagrande cobra de Paulo Guedes solução no preço do combustível: “União fica com 68% dos tributos”

Leia também

Jacaraípe tem Adrenalina, Ratazanas e Camundongos

Em Jacaraípe, a folia começa na sexta à noite com o Bloco Adrenalina. A agenda começa a partir das...

Banho de Mar à Fantasia em Manguinhos e shows em Nova Almeida

Em Manguinhos, o Carnaval começa no sábado (22) com o tradicional Banho de Mar à Fantasia, em que são...

Evento em Feu Rosa e Boa Vista para conscientizar sobre gravidez na adolescência

Nesta sexta-feira (21) acontece o Carna Prev – Carnaval da Prevenção – às 9h30, na unidade de saúde de...
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Casagrande durante Fórum dos Governadores. Foto: Derick Nunes.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, participou, nesta terça-feira (11), do 8° Fórum Nacional dos Governadores, em Brasília-DF. Com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, os chefes dos Executivos estaduais debateram sobre a tributação dos combustíveis. Para Guedes, a fala do presidente da República, Jair Bolsonaro, não diz respeito a redução imediata do preço dos combustíveis. Casagrande afirmou que o Governo do Estado segue aberto à discussão do tema.

“Acho que em casa que falta pão todos brigam e ninguém tem razão. O Governo federal tem suas dificuldades, os governos estaduais têm suas dificuldades. As manifestações políticas são normais. O presidente quando fala isso, ele está dizendo: ‘olha, dentro do preço do combustível, tem muito peso no imposto aí’. Então, quando ele faz uma convocação dessa [para redução do ICMS dos Estados], olha eu abaixo aqui, vocês abaixam aí. Não é instantâneo. É para ser interpretada exatamente como dizendo, olha vamos para essa reforma tributária, o Governo federal pode abrir mão, os governos estaduais também, se nós fizermos um programa de substituição tributária, que é o que vamos fazer”, esclareceu o ministro da Economia.

Em sua fala, o governador manteve a sua posição de que o tema é importante e exige um debate técnico responsável:

“A forma como o assunto foi lançado causou um impacto imediato. Em nenhuma hora foi explicado que era uma condição de longo prazo. O ministro Paulo Guedes disse que ninguém pode abrir mão de receita imediatamente. Com o Pacto Federativo vai ter o fortalecimento dos Estados e Municípios, além da aprovação da reforma tributária. Só que a interpretação dada pela sociedade é de que o presidente Bolsonaro estava fazendo um desafio para que fosse imediato. A avaliação do ministro Guedes é um convite para que a gente possa achar um caminho no médio e longo prazo. Na visão dele, nem a União e nem os Estados podem abrir mão de receitas”, disse Casagrande.

O governador capixaba ainda prosseguiu: “Primeiro, quero registrar a forma e a metodologia superficial usada pelo presidente em um tema tão importante, tentando colocar a população contra os governadores. Segundo, a nossa posição é clara: a União fica com 68% dos tributos do País, detém a política de preço dos combustíveis, além de emitir títulos. Se alguém pode resolver é a União. Nós devemos estar à disposição do Governo, se vier de forma equilibrada, debatendo com responsabilidade fiscal. Que esse assunto seja debatido no âmbito da reforma tributária”, completou.

Durante a reunião com os governadores, o ministro Paulo Guedes informou que irá se encontrar com o presidente Jair Bolsonaro para conversar sobre os próximos passos em relação ao tema.

PECs Mais Brasil e Fundos

Ainda durante o Fórum Nacional dos Governadores, houve uma apresentação do presidente do Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados (Comsefaz), Rafael Fontele, sobre as propostas de emendas constitucionais do Mais Brasil e dos Fundos (PECs 15/15, 186/19, 187/19 e 188/19).

Casagrande ressaltou que o momento é de priorizar as discussões emergenciais: “São temas importantes e o que for emergencial, como o Fundeb, devíamos decidir hoje. O que não é de votação imediata devemos aprofundar mais os temas com os secretários de Fazenda para apresentarmos soluções concretas”, ressaltou o governador, informando que os Estados querem participar da destinação dos fundos.

Outros temas debatidos foram o Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF); Renovação do Fundeb; Fundo de Participação dos Estados (FPE); Plano Mais Brasil (Pacto Federativo); Distribuição dos Royalties de Petróleo; e Securitização.

Comentários

Mais notícias

Banho de Mar à Fantasia em Manguinhos e shows em Nova Almeida

Em Manguinhos, o Carnaval começa no sábado (22) com o tradicional Banho de Mar à Fantasia, em que são esperadas 15 mil pessoas, segundo...

Evento em Feu Rosa e Boa Vista para conscientizar sobre gravidez na adolescência

Nesta sexta-feira (21) acontece o Carna Prev – Carnaval da Prevenção – às 9h30, na unidade de saúde de Boa Vista. O evento é...

Especialistas orientam alguns cuidados com o pet na folia

Blocos, desfiles, shows, grandes aglomerações, churrasco com amigos ou praia. O clima de Carnaval já chegou e os foliões ficam ansiosos para aproveitar o...

Empresas abrem novas oportunidades de trabalho na Serra

A quinta-feira (20) está recheada de oportunidades de trabalho. Isso porque diversas empresas abriram 114 vagas de emprego. Todas as chances, que contemplam diversas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem