• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
22.9 C
Serra
quinta-feira, 04 março - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
Experiências sobrenaturais

Caça Fantasmas vem à Serra, encontram espíritos e conversam com a falecida Judith Castello  

Leia também

Festival Voadora terá 12 shows autorais com destaques da música capixaba  

Cento e oitenta e seis projetos foram inscritos para o processo de seleção do Festival Voadora, cujas apresentações acontecem entre...

Detran implanta exame teórico digital na Ciretran Serra Sede e facilita vida de moradores

O município da Serra receberá mais uma Sala de Exames Teóricos digital do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito...

Vereador defende regulamentação do serviço de mototáxi na Serra

  Por meio do Projeto Indicativo de Lei 43/2021, o vereador Pablo Muribeca (Patriota) defende a regulamentação do serviço de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O casal visitou a Serra e conversou com espíritos que moraram na cidade. Foto: Divulgação

Experiências sobrenaturais fazem parte da humanidade e histórias sobre fantasmas e assombrações circulam em todo o planeta há séculos. E na Serra não é diferente: relatos de experiência com outras dimensões circulam pelas ruas da cidade e, neste ano, ganharam destaque nacional após visita do grupo ‘Caça Fantasmas Brasil’. Os investigadores paranormais Rosa Maria Jaques e João Tocchetto afirmam ter encontrado espíritos e guardiões em pontos históricos do município, além de terem conversado com a primeira deputada mulher do ES, Judith Leão Castello Ribeiro, que viveu de 1898 a 1982.

Antes de contar as experiências sobrenaturais vividas pelo Caça Fantasmas Brasil na Serra é importante contar a história do casal idealizador do grupo. Rosa e João estão entre os maiores pesquisadores paranormais do Mundo e no Hall da Fama dos Caçadores de Fantasmas nos Estados Unidos da América. Há mais de 45 anos, eles desvendam mistérios e ajudam famílias e pessoas atormentadas por fenômenos paranormais em todo o Brasil e já foram destaques em programas internacionais.

Os dois contaram ao TEMPO NOVO que estão visitando todos os estados brasileiros e nesta rota, é claro, estava o Espírito Santo. Em terras capixabas, durante a visita feita no final do ano passado, a Serra chamou atenção dos pesquisadores. Durante a ronda feita pela cidade, foram até a Igreja de São José do Queimado, em Serra Sede, – onde ocorreu a maior revolta de escravos do ES, no Museu Histórico da Serra, também situado na Sede, e na Igreja e Residência dos Reis Magos, em Nova Almeida.

Na Igreja dos Reis Magos, Rosa logo percebeu que havia um cemitério de jesuítas no meio da edificação que foi construída entre os séculos XVI e XVIII. Um dos mortos, que atualmente é o guardião da igreja, se revelou para a investigadora. Quem conta como tudo ocorreu é o esposo dela.

“Rosa teve contato com o jesuíta número 4 que é o guardião da igreja. Ele veio, apareceu para ela e fez a gente ter muito cuidado na visita. Logo depois, Rosa ainda contatou com outro lá em cima no sino. Ele era quem tocava o sino. O guardião fez a Rosa  ajoelhar lá fora e rezar. E nós fizemos. Porque fazemos os que os mortos pedem. Ele é o guardião. A gente com todo respeito fez o que ele pediu”, explicou João.

Já no Museu Histórico da Serra a experiência sobrenatural foi ainda maior. Rosa e João tiveram contato com Judith Leão Castello, que morou por anos no espaço histórico, e se tornou a primeira mulher capixaba a ser deputada estadual. Judith fez parte de uma das famílias mais tradicionais da cidade e hoje também dá nome a Câmara de Vereadores.

“No museu tivemos contato com a deputada Judith Leão Castello Ribeiro. O espírito dela fez contato, descreveu situações. Foi bem legal, uma experiência interessante, mas nada assombrado. Tinham fortes energias impregnadas nas cadeiras. Tem uma mesa lá da época e algumas pessoas que sentaram ali, pelas emoções que passaram ali, deixaram resíduos dessas energias impregnadas”, contou o investigador.

Na Igreja de Queimado, local onde era esperado o encontro com muitos espíritos devido aos acontecimentos ocorridos ali, o casal de investigadores não contatou com nenhuma alma. Isso aconteceu, segundo eles, pelas orações já feitas ali, que liberaram os espíritos para suas dimensões corretas.

“Não localizamos espíritos, pois todos já foram encaminhados. O sofrimento vivido ali já não está ali mais. Achamos pontos de energia, mas, por exemplo, no cemitério não encontramos nada. Não havia nem guardião. Já está no passado. Acho que as orações, os rituais que fizeram ajudaram. Não tem nada forte e nem assustador. Os escravos foram encaminhados”, descreveu.

Quem se interessou pelo assunto pode assistir vídeos sobre a Serra e experiências vividas em outros estados através do canal do YouTube do ‘Caça Fantasmas Brasil’. Os vídeos referentes à cidade estão acima.

Rosa e João

Sem vínculos religiosos, filosóficos e acadêmicos, Rosa e João estão entre os maiores pesquisadores paranormais do Mundo e no Hall da Fama dos Caçadores de Fantasmas nos EUA registrado no livro Ghost Hunter’s Hall of Fame Paperback – June 15, 2017 – by Mr. Richard L. Senate (Autor).

“Desvendamos mistérios e ajudamos famílias e pessoas atormentadas por fenômenos paranormais. Revelar o que é sobrenatural, fantasia, doença ou fraude. Com independência e respeito, as investigações revelam a forte influência do sobrenatural na vida das pessoas. Rosa Maria Jaques utiliza a telepatia e a vidência para se comunicar com o sobrenatural. João opera equipamentos medidores térmicos e magnéticos, microfones ultra-sensíveis, câmeras de visão noturna e térmicas para registrar os fenômenos”, contam.

Rosa Maria Jaques é Jornalista Responsável e Investigadora Paranormal. João Tocchetto de Oliveira é Diretor Geral e Jornalista Investigativo, além de presidente da Associação Brasileira dos Paranormais e Investigadores Paranormais. O casal viaja o mundo com a Maat – cachorrinha vira lata que acompanha as investigações.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Saiba mais
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!