19 C
Serra
domingo, 31 de Maio de 2020

Atingidos por barragem da Samarco param ferrovia da Vale na Serra

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O ato começou às 9h e 30 próximo a entrada do Complexo de Tubarão na Serra. Foto: Divulgação/MAB

Nesta segunda –feira (01) atingidos pela rompimento da barragem da Samarco (Vale + BHP) em Mariana – MG interditam a ferrovia Vitória Minas em Carapina, Serra ES, próximo à entrada do Complexo de Tubarão, onde funcionam usinas e portos da Vale e ArcelorMittal.

O ato para que a entidade criada pela mineradora Samarco e suas controladoras para gerir as reparações ao desastre/crime ambiental contrate auditoria independente para cálculo das indenizações aos atingidos. A ação tem apoio do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Em seu site, o MAB afirma que os capixaba e parte dos mineiros atingidos pelo rompimento da barragem de rejeitos da extração de minério de ferro em Mariana, ocorrida em 05 de novembro de 2015, aguardam a contratação de assessoria técnica independente desde o final de 2018. Lembra ainda que os atingidos pelo rompimento da Barragem de Brumadinho, da Vale, em janeiro de 2019, já conquistaram esse direito.

Segundo a publicação do MAB, cerca de 250 pessoas participam do ato, dentre eles Os atingidos, em sua maioria pescadores, ribeirinhos, agricultores e comerciantes.  Um dia antes, ativistas do Movimento participaram de protesto durante a tradicional procissão de barcos de São Pedro em Vitória. É bom lembrar que os pescadores capixabas foram duramente afetados pela lama da Samarco que desceu o rio Doce até o mar, atingindo o principal pesqueiro de camarão, cação e robalo do litoral do Espírito Santo: a boca do rio Doce em Regência, Linhares.

O rompimento da barragem da Samarco em Mariana é considerado o maior desastre da história da mineração do planeta. Matou 19 pessoas, jogou 43,7 milhões de m3 de lama no rio Doce, gerando mortandade generalizada de peixes e outros organismos, além de contaminar águas fluviais e marinhas com metais pesados. Poluição que chegou ao Espírito Santo e se espalhou pelo oceano Atlântico, atingido até o Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no extremo sul da Bahia. E mais de três anos depois ainda permanece.

Também afetou duramente a economia capixaba, com a paralisação de porto, minerioduto e usina de pelotização da Samarco em Anchieta, litoral sul. Impacto que chegou à Serra, com a suspensão de contratos de fornecedoras de produtos e serviços à Samarco instaladas na cidade.   

O outro lado

Em nota a Vale disse que cerca de 60 manifestantes ocuparam a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) no município da Serra (ES). Afirma também que a pauta dos manifestantes está relacionada com a contratação de assessorias técnicas, que será custeada pela Fundação Renova, criada para gerir e executar os programas e ações de reparação e indenização às pessoas afetadas pelo rompimento da barragem de Fundão.

Por fim, a mineradora informa que está acompanhando as tratativas com as comunidades, como uma das signatárias do Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC) firmado entre entidades públicas e privadas.

A Fundação Renova também enviou nota à reportagem, aonde afirma considerar legítima a manifestação popular, coletiva ou individual, e reafirma que possui a escuta, o diálogo e a participação social como práticas norteadoras de suas ações.

Sobre o protesto iniciado na manhã desta segunda-feira (01), na Serra, a Renova informa que está aberta ao diálogo construtivo e respeitoso com todos os atingidos para avaliar as demandas em busca de soluções adequadas aos problemas postos, respeitados os limites de sua atuação e as leis brasileiras.

A Fundação reitera o seu compromisso na construção de medidas que contribuam para a promoção do processo de reparação. Por isso, a Renova coloca à disposição sua equipe de diálogo, bem como os canais de relacionamento, na Ouvidoria pelo telefone 0800 721 0717, via e-mail [email protected] ou pelo site https://www.canalconfidencial.com.br/fundacaorenova.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!