• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 35.593 casos
  • 705 mortes
  • 34.297 curados
23.4 C
Serra
terça-feira, 26 janeiro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 35.593 casos
  • 705 mortes
  • 34.297 curados

Assembleia Legislativa entra na briga contra cortes na educação

Leia também

Coronavac: segunda remessa com mais de 16 mil vacinas chega ao Espírito Santo

Um novo lote da vacina Coronavac, produzida pelo Butantan/Sinovac, chegou ao Espírito Santo  nesta segunda-feira (25). De acordo com...

Vereadores aproveitam o recesso para enviar solicitações de serviços à Prefeitura da Serra

Antes mesmo do início das atividades em plenário, vereadores da Serra já apresentaram projetos, requerimentos de informações e indicações...

Roubo de cabos da OI, em Pitanga, deixa moradores sem internet

Moradores do bairro Pitanga, que fica na região rural da Serra, estão sofrendo com os constantes roubos de cabos...
Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Atualmente, o Ifes da Serra atende 1.587 alunos e pode parar de funcionar em setembro, por conta do corte de verbas do Governo Bolsonaro. Foto: Gabriel Almeida

Deputados estaduais capixabas escolheram o Dia Nacional de Luta pela Educação e entraram na briga contra os cortes anunciados pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) e que atingem instituições de ensino superior e educação básica em todo o país. 

A Assembleia Legislativa entrou na Justiça para impedir que os cortes atinjam o Espírito Santo, e durante a sessão desta quarta-feira (15), deputados comentaram o assunto. Alguns solicitaram que ação especifique a importância de se manter os recursos, destacando ainda a importância dos institutos federais, diretamente impactados com os cortes.

Alguns deputados utilizaram a tribuna da Casa para criticar a iniciativa do Governo. Entre eles Sergio Majeski (PSB), Fabricio Gandini (PPS), Janete de Sá (PMN) e Iriny Lopes (PT). 

Ifes da Serra é afetado por cortes e pode fechar as portas

Um das instituições afetadas com a decisão do Governo Bolsonaro, o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) de Manguinhos, só terá verba para funcionar até setembro deste ano. A estimativa da administração do Campus serrano diz que após essa data, o instituto poderá fechar as portas já que não terá como pagar contratos de serviços essenciais para o funcionamento da unidade como segurança, limpeza, água, luz, entre outros gastos.

“A gente já estava trabalhando no mínimo. Quando vem um corte desse de 30% vamos ter que tirar mais ainda para se adequar. Um exemplo é um aumento na conta de energia ou na conta de água que pode acontecer. Nós temos uma estimativa. Chego até setembro e depois eu não tenho da onde tirar mais (dinheiro)”, alerta o diretor de administração e planejamento do Ifes de Manguinhos, Emerson Atílio o Campus Serra.

Entenda os cortes do Governo Bolsonaro

Toda a polêmica dos cortes do Governo Bolsonaro começou quando o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou que iria cortar 30% das universidades federais que estariam, segundo ele, provendo “balbúrdia”. “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse o ministro

Na ocasião, o ministro acusou de promover “balbúrdia” a UnB (Universidade de Brasília), UFBA (Universidade Federal da Bahia) e UFF (Universidade Federal Fluminense) e os cortes seriam apenas nessas instituições.

Após a polêmica gerada e acusações de perseguição contra as instituições, o Ministério da Educação disse que não realizaria o corte apenas nas universidades que “promoveriam balbúrdia”, mas que o contingenciamento seria em todos os institutos federais e universidades.

Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!